Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

13/09/2013

Dúvidas (26) – Terão deitado fora o menino com a água de o lavar?

No meio do nevoeiro factual e conceptual dos mídia a respeito dos contratos swap, o ex-presidente do Metro de Lisboa Joaquim José Reis coloca uma dúvida pertinente. Apesar de ser uma das partes interessadas, visto ter contratado swaps durante o seu mandato, tem sentido a questão que coloca de se dever questionar a negociação a granel destes contratos de longo prazo quando se está «no pico mais baixo da evolução das curvas da taxa de juro» e se torna provável o seu aumento a curto prazo e quase certo a longo prazo. Eventualmente, em alguns desses contratos, o seu resgaste com um desconto agora poderá ter sido uma opção pior do que esperar que até à sua maturidade uma evolução favorável das taxas de juro que anulasse as perdas agora registadas.

É bem possível que o ministério das Finanças que ficou 18 meses a meditar sobre o assunto se tenta deixado obnubilar pelas pressões e a manipulação mediática do jornalismo de causa em coligação com o PS a tentar tirar o corpo de fora, e tenha confundido a urgência de sacudir essa pressão com a importância de encontrar a provável melhor solução.

Não vale a pena chorar sobre o leite derramado. No final trata-se de mais um exemplo das consequências para o país de entregar decisões empresariais na mão de políticos e de gestores por eles escolhidos que não têm nem a preparação, nem a motivação, nem os incentivos para procurarem soluções óptimas.

Sem comentários: