Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

16/09/2013

DEIXAR DE DAR GRAXA PARA MUDAR DE VIDA: Assim se vê a força do PCP

Segundo a sondagem da Eurosondagem (um departamento em outsourcing do PS), 42,6% dos inquiridos são contra a convergência das pensões entre o sector público e o privado e apenas 39,5% são a favor. Dito de outra maneira, mais de 4 em cada 10 portugueses aprovam que cerca de 600 mil pensionistas recebam uma pensão que, para o mesmo salário final, é em média o dobro da pensão dos outros 3,6 milhões.

Como o TC considerou inconstitucional o regime de mobilidade dos funcionários públicos, o governo vai transformar a mobilidade em inamovibilidade e oferecer aos excedentários uma tença vitalícia de 40% do salário.

Assim se vê a força do PCP (Partido Constitucional Português), com uns 4 milhões de eleitores potenciais, é sem dúvida o maior partido português. Proponho que os 200 mil milhões da dívida pública sejam repartidos por esse eleitorado à razão de 50 mil euros por cabeça.

Sem comentários: