Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

10/09/2013

SERVIÇO PÚBLICO: O princípio do princípio (21)

Continuação de (1), (2), (3), (4), (5), (6), (7), (8), (9), (10), (11), (12), (13), (14), (15), (16), (17), (18), (19) e (20)

O resultado da consolidação do Portugal Que Se Queixa (PQSQ) com o Portugal Que Trabalha (PQT) continua a ter o andamento de uma carroça puxada por uma parelha constituída por um burro, magro mas com genica, e por uma mula gorda, mole, arrastada pelo burro e sempre com as fauces mergulhadas na alcofa da fava.

O PQT aumentou as exportações em Julho de 5,5% relativamente a Junho e de 3,2% nos 3 meses de Maio a Julho relativamente ao mesmo período do ano passado (fonte: INE, INE, Estatísticas do Comércio Internacional Julho 2013, Destaque de 6-9). Também à custa do PQT, confirma-se que o PIB registou um aumento de 1,1% no 2º trimestre de 2013 relativamente ao trimestre anterior (fonte: INE, Contas Nacionais, 2.º trimestre 2013, Destaque de 6-9).

Graças ao PQSQ e à sua mula, os factores mais problemáticos para os negócios, tais como o acesso ao financiamento, ineficiência do governo, impostos, instabilidade política, legislação fiscal e leis laborais restritivas, explicam a queda de duas posições para 51.º no Índice de Competitividade Global do World Economic Forum.

Muito graças às manobras, à incúria e incompetência de quem cavalga a mula, os yields da dívida pública voltaram aos níveis de Dezembro do ano passado.

Fonte: Bloomberg

Sem comentários: