Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

15/09/2013

ARTIGO DEFUNTO: Se eles ao menos lessem os jornais onde escrevem

Na página 5 do caderno de Economia do Expresso pode ler-se, pela pena do responsável do caderno, mais uma indignação a propósito da fábrica de turbinas eólicas que a empresa chinesa Three Gorges se teria comprometido a construir em Portugal como contrapartida da compra da participação na EDP. Segundo Nicolau Santos, a Three Gorges teria desistido com o «argumento» de excesso de produção de turbinas eólicas na Europa, não cumprindo o «argumento» para justificar a compra da EDP, e por isso, das duas uma «o governo foi enganado ou enganou os portugueses» pelo que se deveria exigir uma explicação ao líder da Three Gorges ou ao primeiro-ministro, respectivamente.

Quanto ao primeiro «argumento» é um excelente argumento e só demonstra que os comunistas que controlam o capitalismo de estado chinês são mais clarividentes do que os jornalistas de causas.

Quando ao segundo «argumento», pode ler-se 9 páginas mais à frente, no mesmo caderno dirigido pela mesma criatura que revelou ao mundo o alegado professor doutor Artur Baptista da Silva, alegado membro do PNUD e alegado chefe de uma missão da ONU para montar em Portugal um Observatório dos países da Europa do sul em processos de ajustamento:
«A construção de uma fábrica de turbinas eólicas em Portugal por parte da China Three Gorges não fez parte das cláusulas vinculativas que constaram do processo de privatização da EDP».

2 comentários:

Unknown disse...

Caríssimo,

Terei de "levar" mais esta pérola... peço desculpa pelo abuso.

Cumprimentos

Impertinente disse...

You are welcome.