Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

18/01/2013

SERVIÇO PÚBLICO: Uma queda colossal? Depende de que falamos.

Segundo as projecções do Boletim Económico de Inverno do BdeP, a redução acumulada da procura interna entre 2009 e 2013 será de 17%. Esta é de facto uma queda colossal. E, na sua maior parte, essa queda é do consumo interno, e por isso ainda bem, porque foi a sua pletora que nos trouxe onde nos encontramos.

Apesar dessa queda colossal da procura interna e apesar do aumento colossal da taxa de desemprego no mesmo período de 8,9% (INE) para 17% (o governo estima 16,4%), o BdeP estima uma queda acumulada menos colossal do PIB entre 2009 e 2013 de 7,4%. O que mostra que a economia está a cortar no subemprego e a limpar o tecido empresarial das empresas inviáveis.

Poderia uma reconversão como a necessária para tornar a economia portuguesa competitiva ser conseguida sem uma redução drástica do emprego? Talvez pudesse, se fosse feita há 10 ou 15 anos, quando a Europa crescia e o nosso endividamento era metade do actual, mas nessa altura e até 2010 estávamos a viver a euforia consumista alavancada com crédito barato, embriagados pelos discursos guterristas e socráticos dos amanhãs que cantam - Durão Barroso, apesar de também cavalgar a onda, ainda disse «estamos de tanga» e foi por isso assobiado pelos pandeiretas mediáticos.

Voltando à contracção do PIB, em termos internacionais é muito? Nem por isso. Veja-se no diagrama seguinte o padrão de crises bancárias recentes desde a Europa até à Ásia com uma queda média do PIB per capita de 9% num período médio de 2 anos.

Fonte: «This Time Is Different – Eight Centuries of Financial Folly»,
Carmen Reinhart & Kenneth Rogoff, Princeton, 2009

Sem comentários: