Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

27/01/2013

Pro memoria (90) – Bandeiras arreadas

Depois de aprovada pela maioria de esquerda na assembleia nacional francesa e a seguir ser considerada inconstitucional pelo Conselho Constitucional francês, «la taxe à 75% ne verra pas le jour» antecipou a Europe1. Mais uma bandeira arreada.

Que se segue ainda a outra: a promessa de não repetir as intervenções militares na África francófona, quebrada com a intervenção no Mali à revelia da inexistente «l’Europe de la defence», assim retratada por Plantu no Monde:


Por falar na intervenção francesa no Mali, que diria o nosso jornalismo de causas se o ocupante do Eliseu não fosse leur ami François? Diria provavelmente que o casus belli é o contrabando do tabaco pelo grupo Ansar Dine - perdas de impostos para a Europa de uns 30 mil milhões -  e o urânio das minas do Mali explorado por empresas francesas e essencial para a França produzir os 80% da sua energia eléctrica de origem nuclear.

Sem comentários: