Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

14/01/2013

Pro memoria (87) – O lugar do outro

O Tribunal Constitucional (TC) faz o papel do executivo, o executivo faz o papel de apresentador dos estudos do FMI e o presidente da República faz o papel do TC produzindo um documento com 29 páginas, que se recusou a divulgar publicamente (estaria em segredo de justiça?), onde explica ao TC  o que este deve acordar. Só não explica como, com tantas certezas sobre a inconstitucionalidade e preocupações com o respeito da Constituição, não enviou imediatamente o OE 2013 ao TC, em vez de o deixar fritar em lume brando.

LEMA: «Os cidadãos deste país não devem ter memória curta e deixar branquear as responsabilidades destas elites merdosas que nos têm desgovernado e pretendem ressuscitar purificadas das suas asneiras, incompetências e cobardias.»

1 comentário:

tina disse...

É incrível como Cavaco Silva está a tentar influenciar o Tribunal Constitucional. É só prova de que as decisões tomadas pelo TC são subjectivas e não objectivas e isto da constitucionalidade é tudo uma treta. Vou fazer copy/paste deste post, se não se importam. Obrigada.