Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

19/01/2013

Presunção de inocência ou presunção de culpa? (10)

Continuação de (1), (2), (3), (4), (5), (6), (7), (8) e (9).

Não é a primeira vez que os banqueiros do regime marcam presença nesta série de posts. Desta vez, a propósito das 3 rectificações à declaração de IRS de 2011 feitas por Ricardo Salgado antes de depor no processo Monte Branco. É claro que é naturalíssimo uma pessoa tão ocupada ter-se esquecido de declarar mais de 8 milhões de euros de rendimentos.

Como é igualmente natural usar alegadamente informação privilegiada em alegado benefício próprio ou ajeitar alegadamente os preços, como alegadamente suspeita a CMVM em relação a operações do BES envolvendo acções da EDP Renováveis em 2008 que poderão alegadamente ter beneficiado alegados altos quadros do grupo.

Podem os banqueiros do regime dormir descansados porque felizmente esta não é alegadamente a pátria do capitalismo que, como se sabe, é o alegado inferno dos capitalistas.

2 comentários:

Luis Moreira disse...

Há sempre quem ache que essas coisa não são importantes :http://bandalargablogue.blogs.sapo.pt/

Anónimo disse...

Alegadamente esqueceu-se... é da idade.... temos q ser compreensivos.
A.Neves