Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

29/01/2013

CASE STUDY: O homem providencial para o Estado Previdência (2)

Já se percebeu que António Costa se estava a movimentar na penumbra e a colocar o palito no bolo para avaliar as hipóteses da sua putativa candidatura a líder do PS. Os anúncios da Câmara de Lisboa a evidenciar a sua faceta de combatente das dívidas não são inocentes porque o homem anda por aí há muito tempo.

Faltava saber se as suas ideias políticas se distinguiam das do actual líder e, sobretudo, das de José Sócrates, o grande responsável por chegarmos aonde agora nos encontramos. A resposta dada no congresso do PS-Açores é não se distingue e oferece-nos como solução para doença a mesma receita que nos pôs doentes: «estimular o consumo».

Por essa, e por outras, terei de dar razão a Alberto Gonçalves que ontem escreveu no DN: «O Dr. Costa não tem vergonha nenhuma e, se o pernicioso regresso aos mercados não lhe trocar as sondagens, pondera apresentar-se às massas enquanto o orgulhoso representante dos desvarios que condenaram as massas a apertos sem fim à vista. Se nada garante que tamanha extravagância vá longe, a sua mera plausibilidade é suficiente para recear a falta de memória e de juízo do bom povo

1 comentário:

Anónimo disse...

António Costa foi um dos grandes defensores do TGV até ao fim. É uma pessoa irresponsável, um troca-tintas. A nossa única salvação contra gente desta é a vigilância do défice pela UE.

tina