Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

25/01/2013

Ressabiados do regime (1) – O caso notável do professor Freitas do Amaral

Entre os ressabiados do regime, o caso do professor Freitas do Amaral é o mais estudado pelos contribuintes do (Im)pertinência, como se pode confirmar pela vasta soma de posts que lhe foram dedicados.

A última manifestação de ressaibo foi ontem a propósito do «grande festejo por Portugal ter regressado aos mercados… (que) não é mérito deste Governo… (mas) do senhor Mario Draghi que, em Agosto passado, fez declarações em que se comprometeu a defender o euro fosse como fosse, e os mercados recuperaram confiança, e os juros começaram a baixar». Para usar as palavras do Blasfémias, o emérito ressabiado não explicou «porque é que a Grécia não acompanhou Portugal e a Irlanda … e se o mérito é todo das declarações de Agosto do senhor Draghi, porque foi que os juros da dívida portuguesa começaram a descer em… Fevereiro?»

Com melhor razão do que ao senhor Dragui, poderia o professor Freitas do Amaral atribuir ao saudoso engenheiro José Sócrates e aos seus governos (de um deles, recordemos, ele próprio fez parte) os méritos pelo regresso aos mercados porque a esses governos se deve a saída dos mercados sem a qual não teria havido regresso.

Pode ser visto aqui o vídeo com as declarações num tom sapiente e definitivo em que o emérito postula ex cathedra, repetidamente. os deméritos do governo e o mérito do senhor Dragui.

2 comentários:

tina disse...

O que é incrível é que ele não percebe o ressaibo que transparece ao falar assim. Tal como Pacheco Pereira, demonstra um comportamento puramente tribal. Eu que tanto admirava estes dois pela sua inteligência, como acabaram por sucumbir a instintos tão primitivos e tribais. O ego é a ruína dos homens.

Anónimo disse...

viver na quinta da marinha é carote... deve haver mingua de pareceres...parece-me.
neves