Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

19/01/2013

Lost in translation (166) - Picaretas falantes no parlamento europeu

Os 22 deputados portugueses ao parlamento europeu representam cerca de 3% do total de 751 e, com excepção de uma deputada galega, são os únicos que se expressam em português.

Sem grande surpresa, para quem conheça as capacidades oratórias e a verborreia imanente ao político português, segundo o Irish Times citado pelo SOL, aqueles 3% dos deputados representaram no período de Janeiro a Maio de 2012 quase 12% do tempo total das intervenções no parlamento europeu, à frente de todos os outros com excepção dos que intervieram em inglês com 22% e em francês com mais umas décimas do que em português. O campeão da treta é Diogo Feio do CDS com 1.383-discursos-1.383 nesta legislatura.

Como aguentam os restantes 729 deputados o luso dilúvio de palavras num deserto de ideias? Suspeito que desligando a tradução simultânea.

2 comentários:

Unknown disse...

Muito curioso. E revelador do País que somos... muita palavra e pouca acção.

http://www.youtube.com/watch?v=ExWfh6sGyso

Cumprimentos.

Maria disse...

Por acaso, gosto das intervenções de Diogo Feio. As da Ana Gomes é que são insuportáveis.