Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

28/02/2012

¿Por qué no te callas? (5) – o tamanho interessa? Sim, mas quanto mais pequeno melhor

[Uma série potencialmente infinita de aflições e estados de alma partilhados com os mídia sem propósito aparente]

Depois de ter confessado irremediável distracção quando diz ter ficado «um pouco surpreendido» com os números do desemprego, a abrir a sua peroração numa jornada do Roteiro para a Juventude, a fechar Cavaco Silva surpreende o mundo da gestão com um inovador paradigma: o de que a reduzida dimensão das empresas portuguesas poderia ser uma vantagem competitiva na internacionalização.

Está encontrado o segredo para o triunfo nos mercados externos: uma empresa com 100 trabalhadores não consegue exportar? Parte-se em duas de 50 trabalhadores e já está. Não sei porquê, quando primeiro-ministro em 1994, Cavaco Silva gastou dinheiro para Michael Porter vir lançar bitaites sobre a competitividade da economia portuguesa.

Sem comentários: