Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

13/02/2012

DIÁRIO DE BORDO: Querida, encolhi o povo! Ainda mais que os camaradas do KKE

(Continuação deste encolhimento)

Manif da CGTP pp do PCP, no Terreiro do Paço no dia 11, com alegados 300 mil (JN)

Manif da esquerdalhada grega na praça Syntagma no dia 12, com alegados 100 mil (WP)

«Bom: o que é que motivará o dirigente máximo da única organização sindical do país a mentir com tanto desespero, afirmando, mesmo, que esta terá sido "a maior manifestação jamais realizada em Lisboa em 30 anos"? Será normal um gajo banhar-se com o ridículo de uma falsidade tão óbvia na esperança de transformar pela mentira um movimento moribundo numa nação em armas pela dignidade dos trabalhadores e dos explorados? Posto de outra forma: o que é que teria perdido o Arménio Carlos, a CGTP e os trabalhadores se, em vez da "maior manifestação dos últimos 30 anos", esta tivesse sido a melhor manifestação de sempre? Foram para casa fazer o quê? Coçar os tomates à frente do telejornal a ver se se viam na televisão? Se a classe trabalhadora está mesmo debaixo de um golpe perpetrado pelo grande capital para que sejam os explorados a pagar os desvarios com que o capitalismo acaricia e engorda os poderosos, porque é que os seus representantes não ganham coragem e lutam para que os trabalhadores lutem? Eu tenho uma teoria: porque Arménio Carlos e o PCP sabem, de ciência, que a relevância e notoriedade da sua ideologia depende essencialmente do parasitismo, e que apesar de terem passado uma vida à cabeça dos desejos (que eles normalmente traduzem por "interesses") dos trabalhadores, estes só esporádica e transitoriamente são compatíveis com uma sociedade sem explorados ou exploradores. Quando (e se) a violência e a intensidade rebentarem por cá, o PCP e a CGTP continuarão, como até aqui, a tentar lubrificar o seu orgulho ideológico com as consequências do desespero alheio, sem uma pinga de vergonha na cara e, o que é pior, sem um vestígio de coragem. Ser valente em ditadura é tão mais fácil, não é? É por isso que os gajos do 5 Dias estão sempre a inventar repressões várias: inventam cargas policiais violentas, inventam boicotes na imprensa às suas iniciativas, inventam censura, inventam limites à liberdade. Vão acabar por se f*?€§ todos, e ao mesmo tempo

Escreveu o maradona, muito a  propósito e surpreendentemente sem um único erro.

Sem comentários: