Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

02/02/2012

Porque não há crédito para as empresas viáveis? (II)

Continuação de (I)

Se a banca tem um funding limitado (o mercado interbancário deixou há muito de funcionar e as poupanças dos portugueses são mais raras do que o lince da Malcata) tem necessariamente uma liquidez limitada e cada euro de crédito concedido às empresas públicas é um euro a menos no crédito às empresas privadas.

Citando os números do BdeP disponibilizados ao Diário Económico, as 355 empresas públicas fora do perímetro de consolidação têm quase seis mil milhões de crédito (média de 17 milhões) contra 115,8 mil milhões para mais de 240 mil empresas privadas (média de 481 mil euros). Situação agravada pelo facto do crédito concedido às empresas públicas ter aumentado 14% e o concedido às privadas reduziu-se de 1,7%.

Confirma-se assim que a resposta é, uma vez mais, porque o crédito é canalizado das empresas viáveis para as empresas inviáveis.

Sem comentários: