Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

09/02/2012

NÓS VISTOS POR ELES: A realidade não é fácil de engolir

«O recém-eleito primeiro-ministro de Portugal, Passos Coelho, deslocou-se a Luanda. [...] Passos Coelho apelou ao Governo angolano que invista mais em Portugal, porque Angola tem muito dinheiro. Esse é o futuro de Portugal: o declínio, também um perigo social para as pessoas, se não compreendermos que, economicamente, e sobretudo com o nosso modelo democrático, estável, em conjugação com a nossa estabilidade económica, só teremos hipóteses no quadro da União Europeia

Com aquelas palavras Martin Schulz, o presidente do Parlamento Europeu, uma das instituições do planeta mais inúteis por cabeça, mencionou um facto indesmentível (a ida de Passos Coelho a Angola para vender umas peças do serviço de prata da família), fez uma previsão bastante provável (a continuação do declínio de Portugal, admitido pelos mais lúcidos portugueses pelo menos desde Eça e Ramalho), e decretou como artigo de fé as propriedades salvíficas da União Europeia.

Como habitualmente, vamos ficar indignados e rasgar as vestes em nome de um patriotismo bolorento e auto-complacente, em vez de ocupados a trabalhar para travar o declínio e dispensar a venda das pratas. E, já agora, para demonstrarmos que há vida para além do orçamento da União Europeia.

Sem comentários: