Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

05/02/2012

A Óropa tenta sem sucesso adjudicar o seu resgate

Depois de deixar de poder continuar a adjudicar a sua defesa em outsourcing aos EU, a Óropa tenta pela mão de Merkel adjudicar o seu resgate à China. Igualmente sem sucesso, so far.

À maneira chinesa, o comité central do PCC encarregou Xu Hongcai do China Center for International and Economic Exchanges de explicar nas páginas do Asia Pacific Memo «porque razão a China não está a comprar os títulos para resgates na zona euro (ainda)» num artigo com o mesmo título, publicado, por improvável coincidência, precisamente durante a visita de Merkel.

E a razão são os três ingredientes que faltam, a saber (Expresso):
  • primeiro, a atuação do "Banco Central Europeu como emprestador de último recurso", facto a que "a Alemanha se tem oposto, atrasando o processo";
  • segundo, os líderes europeus têm de tornar o FEEF "operacional e seguro para investidores de fora", já que o que os chineses observam é que a notação do FEEF perdeu o triplo A (na recente decisão da agência Standard & Poor's), os alemães resistem a aumentar o valor envolvido, e faltam "detalhes operacionais";
  • terceiro, os chineses preferem "ajudar a Europa através do Fundo Monetário Internacional (FMI)", apesar de "ainda ninguém ter dado uma resposta aos chineses", em virtude dos fatores de "rigidez dentro da governação do FMI e da preferência por certos países-chave".
Com estes ingredientes, será preciso misturá-las bem, acrescentar os temperos e cozer em lume brando durante vários anos.

Sem comentários: