Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

28/02/2012

SERVIÇO PÚBLICO: Honoris cum causa (2)

[Continuação de (1)]

Como uma estrela pop, o ex-economista, actualmente blogger activist, Paul Krugman disse banalidades com pouca relação com os problemas concretos que nos afligem e foi escutado com devoção provinciana pelas luminárias domésticas que aplaudiram embevecidas as declarações panfletárias e contraditórias do seu guru. O pináculo de manteiguismo talvez tenha sido atingido por Braga de Macedo com um «we need you in the front line, not just in the New York Times!».

«Não apertem mais o cinto. Isso é válido para todo o Sul da Europa», mas «o caminho de Portugal é longo e doloroso». «Portugal tem de descer os salários em relação ao core da zona euro». Quanto? Parece que 20 ou 30%. Mas isso equivaleria a aumentar os salários portugueses face aos salários alemães que em paridade do poder de compra são 50% mais elevados. Não houve uma luminária doméstica que o confrontasse com estes disparates. Em vez disso babaram-se de êxtase.

«Sem moeda própria não há muito espaço de manobra neste país». Nesse caso, porque não sair já em vez de continuar no caminho longo e doloroso?

De tudo o que disse, retenho a única afirmação a que não tenho reservas: «ficámos (os economistas) mais estúpidos». Sem dúvida e ainda continuamos porque se continua a garantir que «ninguém poderia ter previsto uma crise financeira em 2008». I beg your pardon. Como assim? Pois se houve vários alguéns que a previram.

[Outros posts do (Im)pertinências sobre o guru]

Sem comentários: