Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

10/02/2012

Fracas elites fazem ainda mais fracas as fracas gentes

Eram de esperar as reacções em coro do PS («flagelar» diz Zorrinho), BE, PCP e sucursal CGTP, ao discurso da responsabilidade, da exigência e da falta de auto complacência de Passos Coelho.

Na melhor e pouco provável hipótese são pura hipocrisia, o que, se assim fosse, demonstraria alguma inteligência e muito cinismo. E revelaria também um profundo desprezo pelos portugueses, implicitamente considerados em estado de imaturidade e incapazes de assumir as suas responsabilidades e enfrentar a dura realidade que contribuíram para criar.

 Na pior e mais provável hipótese, são vagidos sinceros de elites políticas medíocres e graxistas que seguem e incentivam o culto da auto complacência e da falta de excelência, infelizmente dominante nos portugueses e carinhosamente promovido por essas fracas elites.

Em qualquer dos casos estamos conversados. Podemos dar razão ao presidente do parlamento europeu quando prevê o nosso declínio, destino inelutável num país em que partidos que representam metade do eleitorado insultam sem rebuço a sua inteligência ou se insultam a si próprios.

Sem comentários: