Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

26/02/2012

ARTIGO DEFUNTO: O frete expresso

Diferentemente do meu parceiro Pertinente, percebo perfeitamente que Cavaco Silva em vez de explicar porque fintou os indignados da António Arroio tivesse puxado pelos galões eleitorais e os pulisse. Ele não precisava de ir por aí porque tudo já estava tudo tratado pelos assessores para no dia seguinte o jornalista de serviço no Expresso escrever 4/5 de uma página, com uma chamada na 1.ª página com o título «Polícia travou visita de Cavaco por temer agressão» com letras vermelhas de 15 mm, a explicar a coisa.

Enfim, é um serviço que o Expresso lhe devia desde que escarafunchou o caso das acções da SLN. Para fazer o arredondamento, o Expresso ainda publicou outra chamada na 1.ª página com uma informação relevantíssima: a de que «empresas de Passos e Relvas (isto é empresas de Ilídio Pinho) fecharam no Carnaval» e um texto de quase uma página completa com fotos dos ministros e legendas a informar se as empresas por onde andaram também ou não estavam fechadas. Como dizia o outro, what goes around comes around. Estão quites.

Sem comentários: