Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

22/02/2012

SERVIÇO PÚBLICO: O cinema independente não depende dos espectadores (2)

O filme «Tabu» de Miguel Gomes ganhou o prémio da crítica no Festival de Berlim. Se for tão interessante como do «Aquele Querido Mês de Agosto» valerá a pena ser visto. A curta-metragem «Rafa» de João Salaviza arrecadou o Urso de Ouro no mesmo festival. Bons exemplos.

Talvez não por acaso, «Tabu» não foi financiado pelo ICA, mas em 60% capitais portugueses privados e o restante por subsídios públicos da Alemanha, Brasil e França. E «Rafa» foi subsidiado pelo ICA e por subsídios públicos franceses.

É claro que estes sucessos vão servir de bandeira para a comunidade do cinema independente tentar ficar ainda mais dependente dos subsídios. A verdade é que se trata de casos pontuais e que provavelmente viveriam bem sem o ICA, porque o universo dos filmes subsidiados é confrangedor, como ainda recentemente referi aqui.

Desde 2004 até 15-02-2012 não há um único filme português entre os 40 mais vistos. No mesmo período, dos mais de 450 filmes (incluindo um pequeno número de séries) subsidiados pelo ICA, só 6 tiveram mais de 100 mil espectadores e uma receita bruta superior a 500 mil euros.

Sem comentários: