Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

24/02/2012

Serão os piegas portugueses mais piegas do que os piegas italianos?

Imaginemos Passos Coelho, primeiro-ministro, a condenar a «monotonia» de um emprego para a vida inteira. Imaginemos Mota Soares, ministro do Trabalho, a dizer de um patrão que oferece um contrato sem termo que está a «vender ilusões». Imaginemos Miguel Macedo, ministro da Administração Interna, a criticar os portugueses que ficaram parqueados numa época em que os empregados trabalhavam «na mesma cidade da mãezinha e do paizinho».

O que aconteceria? Um escândalo de proporções olímpicas. Ouviríamos certamente o PS, o PC, o BE e todos os grupúsculos esquerdistas a vociferar em coro a falta de respeito pelo povo, a engraxar e puxar o lustro aos muitos coitadinhos plantados por esse país.

Pois bem, as citadas «ofensas» foram proferidas, respectivamente, por Mario Monti, primeiro-ministro italiano em exercício, Elsa Fornero, ministra do Trabalho, a mesma que chorou ao anunciar as duras medidas na sua área, e Anna Maria Cancellieri, ministra do interior.

Moral da estória (se esta estória tivesse moral) vista pelo Dr. Mário Soares arranhando o seu italiano: la ezquierda portogueza è più sinistra que la gauche italiana.

[Lido aqui]

Sem comentários: