Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

26/01/2004

ESTÓRIA E MORAL: A profecia do doutor Mello e a troca do machimbombo da Xana por uma bela berlina.

Estória
A Xana Macedo é directora-geral da Best Models, nome que poderia ser de uma fábrica de aviões miniatura no vale do Ave, mas de facto é uma agência de manequins - aquelas meninas e meninos que desfilam com uns trapos pendurados que deixam entrever os seus órgãos mamários e genitálias, dizem os cínicos, ou a salvação do nosso têxtil, dizem os sonhadores. A Xana tem uma vivenda nas Antas e um Grand Cherokee.
O Grand Cherokee dela não é o Grande Chefe John Ross, que tentou manter a nação Cherokee fora da guerra dos brancos, mas acabou por escolher o lado errado – a Confederação. É um jeep da General Motors do tamanho duma diligência puxada por 6 cavalgaduras.
Possivelmente em resposta a uma audaciosa pergunta do semanário do saco de plástico, a Xana disse que queria o Grand Cherokee «para poder subir os passeios» da cidade invicta. Invicta não porque o FêCêPê ainda não perdeu neste campeonato, mas porque o Porto nunca foi conquistado pelo inimigo, ainda que isso tenha custado comer tripas durante umas semanas, o que explica muita coisa – os descendentes dos sitiados ainda hoje têm como maior ambição na vida ganhar aos mouros, prova definitiva que as tripas estavam contaminadas pela doença das vacas loucas.
O doutor José Manuel de Mello não precisa de apresentação. Não tem nem um Grand Cherokee, nem já tem pachorra para aturar a nação, no que é acompanhado por muito boa gente, até mais nova, como este vosso criado.
O que têm em comum a Xana e o doutor Mello? Aparentemente só facto de ambos terem falado para o caderno nº 432 do Expresso.
Aparentemente. Uma leitura mas cuidada mostra que é muito mais do que isso.
À pergunta metafísica do doutor Nicolau Santos, o senhor do lacinho, «qual é o nosso destino como país e como povo?», o doutor Mello, mostrando o profundo conhecimento da alma lusa, adquirido durante a sua prisão em Caxias sob a acusação de «capitalista monopolista», às ordens do Conselho de Revolução, respondeu «talvez arrumadores de carros».
Quer isto dizer que se os tugas cumprirem o destino profetizado pelo doutor Mello, a doutora Xana pode vender o machimbombo e comprar uma bela berlina, que será encostada milimetricamente ao passeio com a ajuda dum galdério munido duma carteira profissional e devidamente inscrito na associação dos arrumadores, em vias de se transformar na Ordem dos Gestores de Parqueamento.

Moral
Teremos o destino que merecermos (Albert Einstein).

Sem comentários: