Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

01/01/2004

AVALIAÇÃO CONTÍNUA: Obrigado senhor engenheiro Guterres, anyway.

Secção Com a verdade me enganas
Estou certo de que o tempo e a verdade dos factos confirmarão que foi a pensar no País e nos portugueses que Guterres abriu caminho a eleições”, disse o doutor Guilherme d'Oliveira Martins a O DIABO no penúltimo dia do ano.
Não tenho a certeza que quando o engenheiro Guterres concluiu abruptamente o seu consolado e se evadiu para o limbo pré-presidencial estivesse a pensar no País e nos portugueses, mas não restam dúvidas que, no fim, mais do que as intenções o que contam são as acções.
Obrigado senhor engenheiro Guterres, anyway.
Obrigado senhor doutor Guilherme d'Oliveira Martins por nos ter lembrado um dos poucos momentos altos da política portuguesa nos últimos 8 anos. Obrigado, mesmo no caso em que o seu amigo engenheiro, que nestas coisas não se distrai, venha a pensar que, com amigos como o senhor doutor os inimigos são supérfluos.
Cinco chateaubriands para o senhor doutor d’Oliveira Martins pela infinita bondade de propósitos com que nos revelou o que ia na alma do senhor engenheiro.

Sem comentários: