Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

02/01/2004

DIÁRIO DE BORDO: Indignações e inquietações.

Acabei por ficar inquieto por tantas inquietações, como esta, ou indignações como esta, ou ainda esta, que inclui mais uma bastonada.
Tudo a despropósito das cartas anónimas visando o doutor Jorge Sampaio, o doutor António Vitorino e o doutor Jaime Gama.
E acabei até por ficar indignado, por não ver inquietação por mais uma violação do segredo de justiça, nem indignação pelo facto das inquietações e indignações manifestadas partirem do pressuposto, nunca dito porque indizível, que as personalidades públicas têm, na sua vida privada, fora do exercício dos suas funções públicas, direito a um estatuto diferente do cidadão comum, que tornaria mais graves os eventuais erros judiciários ou as alegadas cabalas.
Alguém se inquieta ou indigna pelo facto do Zé dos Anzóis ter cartas anónimas no seu processo de investigação que dura há 3 ou 4 anos?
É preciso recolocar as questões no seu lugar: o que está em causa são alegados crimes de pedofilia de que são suspeitos certos cidadãos, desempenhem eles o cargo público que desempenharem. Se há negligência ou erro doloso na investigação o Estado e os responsáveis devem responder. Ponto final.

Sem comentários: