Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

13/01/2004

ESTÓRIA E MORAL: Jornalismo entre aspas.

Estória
No Impertinências só se escreveu sobre aspas aqui e aqui, mas podia escrever-se todos os dias. Não faltam pretextos, como o que Público nos dá hoje aqui.
Com o título «David Justino "esqueceu-se" de declarar rendimentos ao fisco», a propósito do “esquecimento” fiscal do ministro da Educação, o jornalista ensina-nos, mais uma vez, a importância das aspas.
A estória é simples. O ministro antes de ser ministro, mostrando um enorme talento evasivo, teve o “esquecimento” de declarar 2 meses de honorários como vereador da câmara de Oeiras (uma fuga engenhosa). Não contente com isso, teve o “lapso” de não declarar ao Tribunal Constitucional a totalidade dos rendimentos que constava da sua declaração de IRS (outra uma fuga engenhosa) e confessou ao Público que se tinha “esquecido”.
Como o Público não brinca em serviço, consultou sobre este momentoso problema evasivo o conhecido fiscalista professor Saldanha Sanches, também conhecido bloquista, que depois dum “cuidadoso” (também tenho direito às aspas, ou não?) estudo deu o seguinte parecer “parece-me pouco provável que tenha alguma coisa a receber e não a pagar".
Tantas as aspas e tão pouco tempo para falar delas.

Moral
Com um “jornalismo” assim a "opinião pública" pode dormir descansada que nenhum "crime" ficará “impune”.

Sem comentários: