Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

11/01/2004

ESTÓRIA E MORAL: O professor Carrilho perfila-se incontornável no futuro dos alfacinhas.

Estória
Qualquer outro teria falado nos corredores do Rato ao doutor Ferro ou, pensando no futuro, ao doutor Coelho, ou, pensando ainda mais no futuro, teria telefonado ao doutor Vitorino, para se disponibilizar para mais uma missão de sacrifício ao serviço do país, mesmo quando o país, neste caso, é apenas o aglomerado urbano caótico onde se situa a capital. O professor Manuel Maria Carrilho não é desses. Ele anuncia no semanário do saco de plástico que nesse mesmo dia vai dar uma entrevista na TSF à doutora Margarida Power Ranger a declarar-se disponível para servir os alfacinhas, em vez do doutor Santana Lopes, com todas as vantagens que advêm de se bater com ele de igual para igual como colunável e de saber, desde a pré-primária, que Chopin não tocava violino, ao contrário do actual presidente da câmara.

Moral
«Este homem tem um futuro cada vez maior atrás de si».

Sem comentários: