Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

14/11/2015

TIROU-ME AS PALAVRAS DA BOCA: MST está a ter surtos de lucidez

[Outros surtos: aqui e acoli]

«Lendo o acordo, compreende-se por que razão o PCP o assinou: para, através dele, garantir ou readquirir a manutenção da influência da CGTP no sector público empresarial e, em especial, no crucial sector dos transportes públicos - o exército privado da CGTP e do PCP. António Costa, certamente ciente do que fazia, deu-lhes de bandeja o recuo nas privatizações, a garantia do pagamento da continuada ruína dos transportes públicos e até o regresso de indecentes privilégios que mesmo o TC tinha deixado extinguir, como a "reposição integral" do complemento de reforma nas empresas estatais, que pode chegar a 70% da pensão normal. Assim se garante a disponibilidade de uma tropa capaz de paralisar o país quando quer e assim se garante a morte à nascença de qualquer tímida tentativa de reformar a administração pública. Coisa que, aliás, nunca esteve nos planos de Costa. O seu plano é outro: chegar ao poder a qualquer preço, e o país que aguente. Quanto ao histórico PS, terá, mais tarde ou mais cedo, o que mereceu.»

Miguel Sousa Tavares na sua crónica no Expresso

Sem comentários: