Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

20/11/2015

Crónica da anunciada avaria irreparável da geringonça (2)

Outras avarias da geringonça.

As peças da geringonça PS, PCP, BE e PEV faltaram ontem à reunião sobre o 25 de Novembro, convocada a pedido da coligação, para organizar uma sessão parlamentar comemorativa do 40.º aniversário do 25 de Novembro de 1975, dia em que foi contido o assalto de comunistas e esquerdistas ao aparelho de Estado e a democracia foi reposta. Pela mão de Costa e dos seus cúmplices o PS está a ser arrastado para o outro lado da barricada. Pode ser que isso não avarie directamente a geringonça, mas certamente avaria o PS e compromete a geringonça.

Segundo escreve Pedro Santos Guerreiro no Expresso, o «PS tem garantido em reuniões à porta fechada com agentes económicos que governará ao centro e sem radicalismos de esquerda. Acordos com PCP e BE servem para viabilizar o governo, mas não comprometem o PS para o futuro.»

Não sei o que admirar mais, se a suprema nonchalence e inigualável ingenuidade do jornalista, se a duplicidade do costismo, ou se, em alternativa, devo admirar a imbecilidade do costismo acreditar que os seus parceiros na geringonça são completamente imbecis ou admirar a imbecilidade dos parceiros do costismo se estes não perceberem a duplicidade do costismo.

Entretanto, mostrando que os parceiros do costismo não são completamente imbecis, o omnipresente professor doutor Louçã, numa das suas numerosas declarações, entrevistas, mesas redondas e quadradas, puxou as orelhas do putativo ministro das Finanças, que disse depender dos custos a reversão dos processos de privatização: «Mário Centeno não leu o acordo (...) porque o acordo garante que a reversão de concessão será feita. Não é uma hipótese, é uma certeza.

1 comentário:

Lufra disse...

Hoje é o nono dia!