Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

03/11/2015

CASE STUDY: Os caminhos-de-ferro britânicos

Mais de metade dos britânicos mostram-se insatisfeitos com os preços (aumentaram 24% em termos reais desde 1995) e a qualidade (22% e 16% dos passageiros nas zonas de Londres e Manchester, respectivamente, ficam em terra por falta de lugar) dos caminhos-de-ferro privados desde 1994 e querem a sua nacionalização. Não admira que o Old Labour de Corbyn já tenha adoptado a palavra de ordem «People’s Railway»,

Fonte: Economist
Têm os britânicos razão quanto ao problema. Terão razão quanto à solução? Possivelmente não - depois da nacionalização a seguir à guerra e até à sua reprivatização em 1994 a ineficiência dos caminhos-de-ferro públicos foi proverbial. De resto, vejam-se no diagrama os volumes de passageiros transportados durante esse período.

Talvez se possa concluir é quando se trata de serviços públicos que partilham uma infra-estrutura comum, como os caminhos-de-ferro ou as comunicações, não há soluções milagrosas e pouco se resolve só com a mudança do proprietário.

Sem comentários: