Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

18/11/2015

Curtas e grossas (30) - «É claro que há uma relação com o Islão»

«Uma coisa é dizer que todos os muçulmanos são potenciais terroristas, outra coisa é recusar ver ligações entre os grupos terroristas e o Islão. A primeira é um excesso de raiva, a segunda é um excesso de cobardia que dura há quinze anos. É claro que existe relação entre o terrorismo islamita e o Islão, até porque Maomé, ao invés de Jesus ou Buda, foi um líder militar que matou com as próprias mãos. Mas não é este islamismo wahhabita ou qutbista uma versão truncada do Islão? Vamos assumir que sim. Seja como for, é uma versão considerada legítima por uma parte considerável das populações muçulmanas. Não é por acaso que o mundo muçulmano está em guerra em todas as suas fronteiras, ataca Paris e Mumbai, mata crianças na Nigéria, mata universitários no Quénia, mata tudo no Paquistão. Se a memória não me falha, dos dez maiores grupos terroristas do mundo só dois não têm filiação islamita. É no Islão que encontramos o maior quinhão de impulsos antidemocráticos, anti-gays, anti-mulheres, anti-ciência e, acima de tudo, anti-liberdade religiosa de outras pessoas. Erigir uma igreja nas arábias é como desafiar a lei da gravidade.»

Henrique Raposo no Expresso

Sem comentários: