Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

04/11/2015

ACREDITE SE QUISER: Coisas que fazem mal à saúde

A acreditar nos mídia, só nas últimas semanas concluiu-se que são nocivas à saúde as carnes vermelhas, as carnes processadas, os enchidos, o cozido à portuguesa, o óxido de azoto emitido pelos motores diesel da VW, entre outras coisas que já esqueci, e tudo isso já matou não sei quantos milhares. Escreveu-se igualmente que «o elevado consumo de peixe em Portugal também pode ser um problema ambiental».

Curiosamente, segundo a agenda do politicamente correcto não é permitido falar de uma das práticas insalubres mais mortais no planeta: a sodomização. De facto, no caso dos EUA, os homens gays e bissexuais são aproximadamente 2% da população mas representam 57% das pessoas com HIV diagnosticado, ou seja a probabilidade a priori de um gay estar infectado é 65 vezes maior do que um não gay. Práticas de muito maior risco e com terapêuticas muito mais caras: o custo total do tratamento da AIDS durante a vida está estimado nos EUA em quase 400 mil dólares.

Assim, para tratar uma doença auto-infligida gasta-se milhares de vezes mais do que para tratar uma doença como a malária: o tratamento de um episódio grave de malária custa entre 16 e 138 dólares. É claro que o lóbi gay tem acesso e está infiltrado em todas as instâncias do poder e o lóbi das vítimas de malária nem sequer existe.

1 comentário:

Anónimo disse...

O lobi interessado no fabrico artesanal de panelas insiste, poderosamente (há poucos mas bons), que os dadores para as transfusões de sangue/plasma não podem ser excluídos por se suspeitar de poderem ter SIDA.
Vão lá dizer isso nos USA e noutros países "ocidentais".
Seria sempre cada tiro, cada melro. Para enriquecer os produtores de retrovirais.

À propos, o então ministro da saúde no Brasil (em tempos do cardozo) intimou o fabricante do Zidovudine (AZT) — primeiro Burroughs-Wellcome e, depois, GlaxoSmithKline — para baixar o preço do AZT (que é barato de fabricar), senão o Brasil sintetizava-o e não lhes dava um tostão de royalties.
O laboratório baixou o preço para 30% do custo praticado. O que eles não ganham!

Abraço