Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

19/11/2015

Crónica da anunciada avaria irreparável da geringonça (1)

Esta é uma nova série de posts dedicada à vida - que se espera breve, para bem de Portugal e dos portugueses, ao menos dos portugueses desafectos do Partido do Estado – da «geringonça» (*) constituída pelo PS, BE e PCP destinada a servir o prolongamento da carreira de António Costa, a dar alento às esperanças das meninas do BE e a adiar a agonia do PCP.

Para começar, considere-se o preço inicial da geringonça (estimativas do Expresso) que Costa facturará aos contribuintes:
  • Eliminação dos cortes salariais a um ritmo de 25% ao trimestre durante 16 trimestres (€450 milhões, mais €250 milhões do que na versão original socialista)
  • Redução da sobretaxa em dois anos (€400 milhões por ano)
  • Reposição da regra de actualização de pensões que assegura aumento das reformas até €600 (€66 milhões em 2016)
  • Descida gradual da TSU para salários até €600 (€109 no próximo ano, menos €524 do que na versão original de descida para empresas e trabalhadores) 
  • IVA na restauração a 13% (€350 milhões)
  • Renovação das políticas de mínimos sociais (€108 milhões).
Na continuação, identificarei os sinais de esperança prenunciadores do colapso da geringonça. Começo pelo último e depois, gradualmente, farei uma retrospectiva das encrencas já passadas na sua curta vida e acrescentarei as novas que a irão avariar irreparavelmente.

Ontem, quarta-feira, o PCP apanhou o PS e o BE de calças na mão e anunciou que não quer aprovar já a medida patriótica de reposição dos feriados e prefere precedê-la de um debate público. São trocos, dirão. Pois são, e é por isso é que quando se falar de dinheiro a sério os gatos se engalfinharão dentro do saco.

(*) Apesar da minha comprovada falta de simpatia por Paulo Portas, reconhecendo o talento criativo do Salta-Pocinhas, adopto o termo «geringonça» por ele cunhado para designar o ser polimorfo resultante da união de facto espúria ou união espúria de facto, como preferirem, do PS com o BE e o PCP com aquela outra coisa pendurada que dá pelo nome de PEV.

Aditamento:
Ainda ontem, o tele-evangelista Louçã, o guru das meninas berloquistas, exaltou a harmonia que impregna a geringonça criticando o PCP por não ter ido ao mesmo notário do BE.

Sem comentários: