Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

29/11/2015

ARTIGO DEFUNTO: A renacionalização da TAP vista por um «jornal de referência» (2)

Insatisfeita com manipulação da peça da semana passada, a jornalista do Expresso volta a fabricar um título no caderno de Economia no mesmo sentido:

«Poder dos bancos para reverter venda da TAP causa dúvidas

Não há consenso sobre a validade do acordo que a Parpública negociou com os bancos, dando-lhes o poder de obrigar o Estado a renacionalizar a companhia aérea»

Uma vez mais, o texto tenta confundir a eventual execução de uma garantia do Estado com a renacionalização. Para confundir ainda mais, cita António Costa que terá dito que o governo anterior «fingiu» privatizar a TAP mas na realidade estava a assumir o risco da dívida. Ora acontece que, sendo a TAP uma empresa pública, o Estado já tinha assumido o risco de uma dívida que vem crescendo há décadas. Ao vender a maioria na TAP e transferir a sua gestão para gente profissional que mete o dinheiro onde põe a boca, o Estado pode ter esperança que, garantindo a dívida que vinha do passado, a dívida não crescerá no futuro e a dívida do passado talvez se consiga pagar.

É mais um exemplo do Efeito Lockheed TriStar: para (não) salvar o dinheiro que está enterrado na TAP devemos continuar a sepultá-lo lá.

Sem comentários: