Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

05/11/2016

Um governo à deriva (30) - A transformação em curso pela geringonça do Estado Social em Estado Clientelar

«Porque este governo representa uma grande promessa: a promessa de que a sociedade portuguesa, afinal, não precisará de fazer nenhuma das mudanças necessárias para arrancar o país de uma longa estagnação económica que compromete, a prazo, todas as suas expectativas. Segundo o governo, basta irmos fazendo despesa e dívida. De facto, sabemos que tudo depende de um único factor: de o BCE continuar a financiar o endividamento de que vivemos. É essa a última protecção do país contra uma reacção imediata dos credores à recusa do governo de desenvolver em Portugal um ambiente mais propício para o trabalho, a poupança e o investimento. É a primeira condição deste governo: o imobilismo temporariamente permitido pelo dinheiro barato do BCE.

Mas o oxigénio do BCE requer défices com um certo aspecto. Em que é então este esforço orçamental diferente do anterior? Em tudo: não corresponde a um saneamento financeiro, mas a um projecto de poder. Os actuais governantes esperam controlar o país através do que podemos chamar um “clientelismo de massa”, que compreende o funcionalismo público, os pensionistas de maiores rendimentos e ainda os banqueiros do Estado – uma espécie de “chavismo rico”. A austeridade foi redistribuída de modo a dar aos rentistas do regime uma sensação de segurança, à custa de todos os contribuintes e da degradação dos serviços públicos. É a segunda condição deste governo: a passagem do Estado social ao Estado clientelar.»

Excerto de «As três condições deste governo», Rui Ramos no Observador

Sem comentários: