Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

18/11/2016

Pro memoria (327) - «Luz no fundo do túnel», disse ele


«Moedas diz que pela primeira vez há “luz ao fundo do túnel”»

«Comissário europeu e ex-secretário de Estado-adjunto de Passos Coelho diz que "pela primeira vez" Portugal está no bom caminho em relação ao défice e que já se começa a ver "luz ao fundo do túnel". (Observador)

Carlos Moedas já demonstrou não ter muito jeito para a política (o episódio da sua conferência de imprensa sobre o relatório do FMI em 2013 é lendário) e parece tentar compensar a falta de jeito esforçando-se por parecer político, dizendo coisas que até os políticos profissionais hesitariam em dizer. Com esta conseguiu dizer numa só frase dois disparates/mentiras (cortar conforme o gosto): (1) se há coisa que os portugueses em geral e os políticos em particulares, dia sim dia não, vêem são «luzes no fundo do túnel»; (2) quanto ao «está no bom caminho», se ele não sabe como o défice de 2016 está a ser fabricado aplica-se a primeira alternativa, se sabe aplica-se a segunda.

Sem comentários: