Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

29/11/2016

CASE STUDY: É preciso ser muito saudável para resistir a tanta doença (11.º capítulo). Estará tudo doido?

Outras doenças a que resistimos heroicamente


Números são considerados "surpreendentes": em 2008, menos de 20% da população tinha problemas de saúde mental. Agora são mais de 30%. Há mais jovens afectados. E mais homens a consumir antidepressivos e ansiolíticos.»

Pergunto-me, será por isso que o «PS chega aos 43% e fica perto da maioria absoluta»? Não vos inquieteis / congratuleis (usar conforme prescrição do médico de família), só o peru morre na véspera. Como aqui foi recordado «em Março de 2010, a um ano da declaração de falência e do resgate pela troika, Sócrates, apesar de 60% dos portugueses acharem que ele mentira ao parlamento, ainda teria 40% dos votos, o que não evitou que nas eleições do ano seguinte os socialistas fossem afastados do governo.»

Se um terço dos portugueses em geral estão meios doidos, dois terços dos médicos não vão poder fazer nada por eles porque estão em burnout, segundo um estudo da Ordem dos Médicos e do ICS da UL. Em pouco mais 4 meses é um enorme progresso em relação às conclusões do estudo da Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos que só encontrou 40,5%.

1 comentário:

Anónimo disse...

Péra lá... Os médicos são portugueses, na sua maioria.
Daí que 30% deles — sem burnout — têm problemas da mona.
Tamos feitos.