Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

25/11/2016

ACREDITE SE QUISER: Banca privada é a favor de um banco público

À primeira vista estranha-se que vários presidentes de bancos privados se pronunciem entusiasticamente a favor da manutenção da Caixa como empresa pública (fonte). Um deles chegou a dizer, como falasse do Espírito Santo, não o do BES mas o da Santíssima Trindade: «É uma luz que todos nós, os privados, temos de ver», disse com a voz  talvez embargada.

À segunda vista entranha-se, por duas ordens de razões: (1) afinal uma Caixa privada seria o seu concorrente mais forte e (2) sem uma Caixa pública para socorrer os empresários do regime e os amigos do regime e para financiar os projectos do regime ficariam eles, os bancos privados, sobre a pressão do complexo político-empresarial socialista para o fazerem.

Aditamento:

É claro que mesmo com uma Caixa pública isso não é um seguro contra todos os riscos de contaminação da banca privada. Ora veja o exemplo, hoje mesmo noticiado:

«A SDC Investimentos (...), detida por Manuel Fino, “informa que não vai proceder ao reembolso do seu empréstimo obrigacionista, no valor de 20 milhões de Euros, que se vence no próximo dia 28 do corrente mês de novembro”. (...) estes títulos foram objecto de subscrição particular, “tendo como único titular das obrigações o Millennium BCP (...) [e] foram subscritos em 2007, quando Manuel Fino era accionista de referência do BCP (...).

Recorde-se que Manuel Fino se tornou accionista do BCP com dinheiro emprestado pela Caixa quando Santos Ferreira, na qualidade de factótum de José Sócrates, era o comissário do polvo no BCP. Atente-se à cronologia do golpe:
  • 1.º Semestre 2007 – Caixa financia accionistas hostis à administração do BCP
  • 15-01-2008 – AV juntamente com Santos Ferreira salta para a administração do BCP
  • 1.º Semestre 2008 – o BCP financia a Ongoing para adquirir o Diário Económico e uma posição na Impresa
  • Fevereiro 2009 – Caixa financia Manuel Fino que dá como garantia acções do BCP (valorizadas 25% acima da cotação)
E assim se percebe porquê a banca, pública e parte da privada, está mais contaminada com os créditos malparados do regime do que um gay praticante do poliamor com HIV.

Sem comentários: