Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

20/11/2016

O ruído do silêncio da gente honrada no PS é ensurdecedor (143) – Se ele o diz...


Manuel dos Santos é um conhecido dirigente socialista, membro da Comissão Política, várias vezes deputado à AR, actualmente deputado europeu e inevitavelmente profundo conhecedor da cultura e da máquina socialista de manipulação dos mídia a que em entrevista ao SOL de sábado passado se refere com as seguintes palavras:

«Quando lhe disse que era muito difícil contrariar esta narrativa de esquerda, porque nos dá a aparência de poder, gostava que alguns militantes me explicassem o que lucraram com esta governação! Mas eles querem é o poder.

(…)

Para mim, as sondagens acabaram. A história do Governo PS é um milagre comunicacional, não tenho que me render a ele. Se alguma coisa este Governo tem feito, é uma comunicação absolutamente exemplar. 

Você quer melhor exemplo de como se trata um assunto (CGD) da maior importância a pontapé, como foi o caso? Foi uma sucessão de erros! E não sucede nada, não baixam as sondagens! Tem aí um bom exemplo. 

O Costa já conseguiu, obviamente, dizer que não tem nada a ver com isto. 

Ao que parece acreditam as sondagens, ele não é penalizado! E acreditam vocês, em geral. A comunicação social tem sido muito favorável e não tem explorado alguns falhanços brutais que tem havido na governação. A questão das viagens da Galp, a questão das falsas licenciaturas, a questão da Caixa Geral de Depósitos... Tudo isto tem passado na comunicação social com muita aceitação.

Volto a falar na massa militante. Eu conheço-os. Aprovaram em referendo o acordo PS/CDS em 1978 que Mário Soares lhes propôs. E 40 anos depois aprovam a 'geringonça'. O PS tem um tipo de cultura de aceitação passiva do que é dito pela liderança, sobretudo se vêem na liderança capacidade para os levar ao poder ou os manter no poder

2 comentários:

Unknown disse...

Resumindo :a súcia "sucialista" nada mais é que um rebanho de carneiros , e os "jornalistas" são simples moços de recado às ordens do Partido Sarjeta.
Digamos que ,tanto a oeste como aos outros pontos cardeais, nada de novo...

Antonio Cristovao disse...

Defendo que ganhar eleições depende unicamente da gestão das expectativas.
Os 700 membros da tribo da "cultura" que foram activos no apoio ao dão sebastião Costa, penso que há dois anos, rende dividendos todos os dias.
E se quem gosta de factos e abomina lero lero, não deixa as lamúrias constantes de que eles dominam tudo e fala e disseca os factos reais, sem tanta lamúria e queixinhas, teremos os descendentes do socrates lá até a próxima banca rota
A quem clame que não se apanham as moscas com vinagre(por acaso uma mentira) e se começamos antes de dissecar racionalmente os factos, ataca-los como maus e mentirosos, nem sequer conseguimos que leiam mais que a introdução,quem tenha outro credo.