Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

19/11/2016

DIÁRIO DE BORDO: Senhor, concedei-nos a graça de não termos outros cinco anos de TV Marcelo (18)

Outras preces.

Vamos admitir que sim, que o menino Marcelo de 8 anos de idade, filho de Baltazar Rebelo de Sousa, à época subsecretário de Estado da Educação Nacional de Salazar, estaria na primeira fila da plebe que na Praça do Comércio via passar a rainha Isabel II em 1957. Afinal já passaram quase 60 anos.

Mas que diabo, não se lembraria o agora presidente que há menos de metade do tempo, em 1985, ele não era «líder da oposição», nem líder de coisa nenhuma, muito menos da oposição ao governo do Bloco Central de que fazia parte o PSD?

Será mais uma ocorrência do síndrome Vichyssoise?

1 comentário:

Anónimo disse...

Olha o espanto da coisa:

Eu sabia ler (e falar) Português antes dos 3 anos de idade (2 e picos).
Yo sabia leer (y hablar) Español aos 4 anos de idade.
Je savais lire (et parler) Français, sans accent, aos 12 anos de idade.
Eu só soube ler e falar Inglês (na minha área técnica) pelos 23 anos de idade.

Eu andei na mesma Escola Primária que o Marcelo. Seis anos antes.
Tal como muitos comunas e filhos de comunas. A Escola não ligava a politica: ensinava.
E admitia meninos e meninas cujos Pais não tinham posses — à borla.
Chamava-se O Lar da Criança.

E esta, hein?