Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

17/10/2015

TIROU-ME AS PALAVRAS DA BOCA: Coisas que outros escreveram sobre Costa, as quais, por isso, já não precisam de ser escritas (24)

Outras coisas: «Para mim Costa não é um mistério», «Coisas que outros escreveram sobre Costa, as quais...»

Vícios antigos

«Quando no início dos anos 80, António Costa perdeu democraticamente as eleições para a Associação Académica de Lisboa, mas recusou a derrota e se negou a entregar as instalações à lista vencedora, justificando a intervenção das autoridades, o caso poderia explicar-se num eventual excesso pós-adolescente. Que mais tarde tenha questionado a liderança de António José Seguro à frente dos destinos do PS, apesar de duas vitórias eleitorais que avaliou por "poucochinho", sem querer consequência igual para a derrota de 4 de outubro, será problema dos socialistas. Mas que à conta da vontade de ser primeiro-ministro se proponha e ache normal sacrificar Portugal, é que já não pode ser. Não pode mesmo.»

Reserva mental, Nuno Melo no Jornal de Notícias

1 comentário:

Anónimo disse...

Podem por no vosso dicionário a definição popular moçambicana de monhé. Para se ensinar o povoléu. Como um dicionário deve fazer. Pode não ser politicamente correcta, mas tem mais de meio século de bom e acreditado uso.