Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

30/10/2015

NÓS VISTOS POR ELES: Horta Osório, Teflon Dom para o FT

A propósito do reforço para 14 mil millhões de libras das provisões para vendas abusivas pelo Lloyds Bank de seguros de protecção da pagamento (PPI, payment protection insurance cobrindo a falta de pagamento de dívidas bancárias devida a doença, desemprego ou morte), realizadas antes da nomeação de António Horta Osório, o FT chama-lhe «Teflon Dom» por ter em 4 anos mudado de campo no que respeita à prescrição das reclamações: começou por desalinhar em 2011 das iniciativas dos bancos para conseguir um prazo de prescrição para agora tentar convencer a Financial Conduct Authority a fixá-lo em 2018.

Enfim, temos que aceitar que há razões muito piores para se falar de um CEO, sobretudo quando se reconhece que «Mr Horta-Osório’s arrival at Lloyds opened a clean, new chapter at a bank with a history of grubby sales practices


Sem comentários: