Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

03/10/2015

O ruído do silêncio da gente honrada no PS é ensurdecedor (118) - Será que os socialistas pensam que os portugueses são estúpidos? (II)

[Sequência de (I)]

Depois de ziguezaguear durante muitos meses e delapidar o modesto património que Seguro lhe deixou, face à provável derrota que transformará o PS de saco de gatos em covil de hienas e lhe acabará com a carreira política, António Costa em desespero insinua que poderá manter-se no ar com «um governo de geometria variável que na hora de negociar, tanto pode virar-se à esquerda como à direita», como escreveu o Observador.

Em rigor, a variabilidade da geometria limitar-se-ia a enfiar na aeronave como contrapeso uns quantos berloquistas, confirmando assim o que o Telegraph escreveu (via Observador):
«Enquanto o PS insiste que é um animal diferente do movimento radical Syriza na Grécia, há uma notável semelhança em algumas das propostas e da linguagem pré-eleitoral. O Syriza também se comprometia em manter as regras da UEM [União Económica e Monetária], enquanto que ao mesmo tempo fazia campanha por medidas que tinham como intenção provocar uma colisão frontal com os credores.»

Sem comentários: