Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

16/10/2015

Encalhados numa ruga do contínuo espaço-tempo (50) – Nelson Mandela está a revolver-se no túmulo

(Uma espécie de continuação daqui)

Se Nelson Mandela tivesse conhecimento do último documento produzido pelos seus sucessores sobre política externa que este mês será discutido no congresso do ANC, a decorrer até ao próximo dia 18, deveria estar a revolver-se no túmulo. Segundo esse documento, a queda do Muro de Berlim não é o símbolo da libertação dos países da Europa de Leste da tutela soviética mas o símbolo do lamentável triunfo do imperialismo ocidental.

Os protestos na praça Tiananmen em Pequim são contra-revolucionários e inspirados pelos Estados Unidos. A invasão russa da Ucrânia é um conflito «dirigido por Washington». As políticas americanas na África e no Médio Oriente têm como «único propósito» derrubar governos democráticos. Ainda segundo o documento a África do Sul deverá promover o encerramento das bases militares americanas em África como «parte do movimento revolucionário internacional para libertar a humanidade do domínio imperialista».

(Fonte: Economist)

Sem comentários: