Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

22/04/2015

Pro memoria (230) – Inconstitucionalissimamente

«TC foi auditado pela primeira vez: carros para uso pessoal, dinheiro recebido a mais pelos juízes, avaliação dos funcionários por fazer» escreve o Observador.

«A primeira auditoria alguma vez feita ao Tribunal Constitucional (TC) revelou um descontrolo financeiro nas contas daquela instância superior» informa o Público.

«Juízes do Constitucional acusados de receber ajudas de custo ilegais» titula o DN que ainda nos informa que «os juízes-conselheiros do TC têm à sua disposição 20 automóveis, sendo dois usados pelo presidente e pelo vice-presidente, 11 para uso pessoal pelos 11 restantes juízes-conselheiros, cinco para serviços gerais do TC e dois estão ao serviço da Entidade das Contas e Fiscalização dos Partidos. Segundo a auditoria, a atribuição dos 11 carros aos juízes infringe a lei».

Não admira que esta gentinha que por lá se acoita tenha como primeira e talvez única preocupação a preservação dos seus «direitos adquiridos».

2 comentários:

Antonio Cristovao disse...

A vida custa a todos e como bem sabemos a prática é: quem tem unhas é que toca guitarra.
Os serviços podem não servir mais ninguem mas a "eles" no mínimo tem que servir.

Anónimo disse...

Plo que vejo, o covermyassismo vai todo o caminho do fundo da cadeia (os presidentes da junta dos PIGS) até ao topo em Bruxelas...