Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

13/04/2015

CASE STUDY: A atracção por Belém - a lista dos que não se excluem não pára de crescer (10)

Outras atracções.


Ponto de situação das inscrições para o concurso de Belém (disclaimer: não há garantias implícitas ou explícitas de que a lista esteja actualizada):
  • António Sampaio da Nóvoa, uma invenção de Mário Soares que ninguém sabe se será ou não apoiado pelo PS - nem o chefe Costa que andou com ele ao colo parece saber
  • Santana Lopes, estava escrito nas estrelas, já se chegou à frente e já se chegou atrás, tem dias - no dia 4 disse que «em princípio» não será candidato;  
  • António Capucho, já se mostrou disponível e para não haver dúvidas declarou que votará no PS
  • Francisco Louçã, o tele-evangelista, não se excluiu 
  • Durão Barroso, nega e talvez seja sincero porque já percebeu o que o esperaria
  • António Guterres, idem 
  • Marcelo Rebelo de Sousa, parece que sim - até porque estar a rezar a todos os seus santinhos para que o Nóvoa não desista - nunca se sabe 
  • Rui Rio admite candidatar-se se houver «muita gente que desejava mesmo e deposita muita confiança em mim», ou seja espera a famosa vaga de fundo
  • Bagão Félix, um socialista do CDS 
  • Carlos César, um socialista do PS 
  • Jaime Gama, um dos socialistas menos socialista do PS 
  • Carvalho da Silva, um dos ex-comunistas mais socialista e outra das reservas de Mário Soares
  • Marinho e Pinto, um cata ventos socialistas ou outros
  • Manuela Ferreira Leite, proposta por Pedro Adão e Silva, um guru de António Costa, como uma candidata do socialismo orgânico de evolução na continuidade 
  • Paulo Morais, proposto por si próprio como um candidato do Norte orgânico alternativo a Rui Rio
  • Maria de Belém, pelo nome é uma espécie de candidata natural e avant la lettre 
  • Luís Amado, mais outro dos socialistas menos socialista, a par de Jaime Gama - ambos, não por acaso, ex-ministros dos Negócios Estrangeiros; até agora nega
  • Helena Roseta, uma socialista natural, ainda na fase do peditório
  • Henrique Neto, um verdadeiro socialista (seja lá o que isso for), até agora talvez o único candidato por boas e confessáveis razões
  • Paulo Freitas do Amaral, já é presidente da junta de freguesia da Cruz Quebrada-Dafundo e quer ser de Belém; foi o último a chegar, é primo do outro e deve ser mais um socialista do CDS.
Resultado a nove meses das eleições presidenciais: estão a concurso 16 candidaturas socialistas, algumas já retiradas - mas nunca se sabe, e 4 outras de quem ainda não fez o coming out.

Porquê 16-candidaturas mais ou menos socialistas-16? Porquê esta obsessão por Belém? Se quiser uma resposta elaborada recomendo a leitura de «O PS e as presidenciais»  um artigo de João Marques de Almeida no Observador.

Se se contentar com uma resposta simplificada (e, contudo, compatível com a elaborada) ei-la: Belém é por direito propriedade do PS e, conforme as oportunidades, ora constitui um seguro de vida (de Sócrates por Sampaio), ora uma acção não consumada de despejo (de Cavaco por Soares) ora uma ordem de despejo (de Lopes por Sampaio) do ocupante ilegítimo.

Sem comentários: