Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

28/04/2015

Mitos (194) – O capital já não é o que era (2)

Uma continuação de (1).

Apesar do instantaneidade que a Web proporciona, sobretudo com as redes sociais, ter vindo a diminuir o nosso atraso secular a aderir às modas, as coisas continuam a levar o seu tempo a chegar cá. Até Thomas Piketty, o economista francês autor do celebrado «O Capital no Século XXI», só cá chegou depois de um longo périplo.

Esteve ontem a perorar na Gulbenkian depois do circuito incontornável pelas luminárias do socialismo doméstico, a saber: António Costa e a revelação do século Sampaio da Nóvoa, culminando com um almoço (uma inevitabilidade doméstica) com João Afonso, vereador e ajudante de Costa, acompanhado pelo também cada vez mais incontornável Rui Tavares, aquele rapaz do Livre que está a promover a unidade da esquerda criando mais um partido.

Infelizmente para as teses de Piketty, multiplicam-se os exemplos da sua falta de aderência à história económica. Já no final do ano passado aqui assinalámos um desses exemplos e no mês passado o Impertinente referenciou aqui o reconhecimento pelo próprio Piketty no paper “About Capital in the 21st Century” a publicar em Maio que as suas teses foram abusivamente interpretadas.

Enquanto entre nós as luminárias veneram as suas teses, noutras paragens até os estudantes as refutam. É o caso de Matthew Rognlie (estudante do MIT) que, depois de ter publicado em Junho do ano passado o paper «A note on Piketty and diminishing returns to capital» evidenciando falhas das teses de Piketty, publicou o mês passado um outro (ver aqui uma referência) concluindo diferentemente de Piketty que o principal factor no aumento da desigualdade é o aumento dos preços das casas.

Sem comentários: