Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

27/04/2015

De boas intenções está o inferno cheio (29) - A lavagem de Mortágua

Acredito que Mariana Mortágua, talvez o único deputado berloquista com bastante competência e algum senso, estivesse apenas a elucubrar sobre as suas teorias sistémico-colectivistas quando em entrevista ao Negócios, falando sobre o caso GES - o maior escândalo financeiro desde o caso Alves dos Reis há 90 anos -, se descaiu com «o maior erro é achar que isto é culpa do Ricardo Salgado».

Acreditar, acredito, mas que para a justiça neste país a coisa é muito perigosa, é. E é uma bênção para o tio Ricardo que certamente do seu exílio no Estoril, ou na Comporta, sei lá, terá apreciado esta operação involuntária de lavagem, com transferência de responsabilidades e culpas para uma qualquer entidade mítica.

2 comentários:

Lufra disse...

O irresistível apelo do dinheiro!

Anónimo disse...

- Foi comida?
- Foi, mas casa prá semana que vem. Respondeu uma mãe brasileira quando lhe perguntaram pela barrriga da filha...

neves