Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

30/04/2015

DIÁRIO DE BORDO: Uma vida que fazia um filme

Um exemplo de que as qualidades dos pais não são necessariamente transmitidas aos filhos é o caso de Catarina Salgueiro Maia que se prestou a servir de idiota útil para os tambores do jornalismo de causas declarando que «deixou Portugal em 2011, ano em que a troika chegou a Portugal e "em que o primeiro-ministro aconselhou as pessoas a ganhar experiência no estrangeiro", ironizou, recordando os apelos do Governo à emigração». Foi assim que o jornalista de serviço na Lusa descreveu as patetices autocomplacentes da criatura, prontamente circuladas em vários jornais (Público, jornal i, Expresso, entre outros).

Lembrei-me esta manhã desse episódio de exaltação dos direitos adquiridos pelas Conquistas de Abril ao ser abordado por alguém que me ofereceu a sua autobiografia em troca de um donativo para a construção do Centro Comunitário Senhora da Barra, uma obra social que a Paróquia de S. Julião da Barra em Oeiras está a levar a cabo. Eis o resumo da vida, pelas suas próprias palavras, desse alguém a quem não aconselharam a ganhar experiência no estrangeiro e que foi para fora cá dentro:


«Hermínia Ribeiro Nobre nasceu a 29 de Janeiro de 1940, filha de um casal de camponeses, a mais nova de nove irmãos, quatro rapazes e cinco raparigas, órfã de pai aos seis anos de idade. Casada há 39 anos, tem três filhos e três netos.

Licenciou-se em Estudos Superiores Especializados em Segurança Social. Fez todos os seus estudos em adulta, em horário pós-laboral, pois em criança só frequentou a escola durante um ano.

Aos cinco anos já trabalhava na agricultura, a desbastar e a colher milho. Aos dez era empregada doméstica; aos 14 obteve um Diploma de Corte e Costura e Bordados à Máquina. Foi costureira por conta própria, modista num atelier, mestra e encarregada-geral de um pronto-a-vestir, e modista por conta própria. Aos 37 anos entrou para a função pública, como auxiliar numa escola primária. Actualmente, é técnica superior no Ministério da Educação.»



Actualização:
Afinal Catarina Salgueiro Maia deu o dito pelo jornalismo de causas da Lusa por não dito e esclarece que as suas palavras eram «ironia» e que antes de ser «convidada» por Passos Coelho já tinha emigrado em Março de 2011 sem convite de José Sócrates que por essa altura ainda estava encalhado no PEC 4.

Sem comentários: