Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

26/04/2015

Encalhados numa ruga do contínuo espaço-tempo (36) – O «visto prévio» ressuscitado

Recentemente os partidos do governo e da oposição (ou parte dela) deram ao mundo duas lições de cooperação nas questões fundacionais do regime.

Primeira lição: todos os partidos concordaram em atribuir ao Tribunal de Contas a fiscalização de contas da Assembleia da República, como aqui salientou o Impertinente.

Segunda lição: PSD, CDS e PS puseram-se de acordo em obrigar todos os mídia a submeterem «planos de cobertura dos procedimentos eleitorais» a uma comissão mista que inclui a Comissão Nacional de Eleições (CNE) e a Entidade Reguladora da Comunicação Social (ERC), «numa espécie de visto prévio».

A coisa parece não vir a resultar porque, incompreensivelmente, os mídia resolveram não colaborar - por boas razões e, talvez, por más razões: afinal o resto da oposição, nomeadamente os comunistas e os radicais chic, estão tão bem representados nos mídia que já dispõem do visto prévio.

Sem comentários: