Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

08/04/2015

DEIXAR DE DAR GRAXA PARA MUDAR DE VIDA: A fábula do surto inventivo que nos assola (7)

[Outros posts sobre a mesma fábula: 08-08-2010; 28-11-2010;28-11-2012; 08-12-2013; 16-12-2013; 26-12-2013; 17-01-2014; 25-02-2014; 11-03-2014].

Muito a propósito desta série já antiga de posts, não resisto a citar o professor José Ferreira Machado da Nova que ao arrepio da indignação mistificadora de muitos dos nossos «investigadores» escreveu no jornal SOL:

«A Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) está sob fogo cerrado por parte de investigadores dos centros de investigação, descontentes com os resultado do último exercício de avaliação de qualidade e concomitante financiamento. É verdade que a FCT cometeu alguns erros (infantis, diria) neste processo. Por exemplo, não se entende porque não apresentar separadamente dois tipos de financiamento com que se havia comprometido: o de base- indexado à dimensão do centro - e o estratégico - reflectindo a sua qualidade. Mas este é um erro de forma ou, na pior das hipóteses, de segunda ordem. No essencial a FCT merece elogios: o exercício de avaliação foi inter• nacional, isento, credível e rigoroso. Ousou cortar o financiamento a alguns centros, e bem.

Quanto muito terá pecado por defeito: em Portugal muito do que se faz em nome da ciência não tem genuína qualidade internacional e o país ganharia se os recursos escassos forem concentrados onde maior impacto podem produzir.»

1 comentário:

Antonio Cristovao disse...

Avaliar? deve ser a palavra maldita na Brigada das Colheres a volta do tacho publico; e pelo que me dizem são mais e muito exigentes do que o que produzem justifica. Será que 80% dos doutorados trabalha para o estado?